Intercâmbio AIESEC
Relatos

Intercâmbio na Índia – Relato de Elisa Contrucci

Elisa Contrucci, que está desde fevereiro deste ano na Índia fazendo um intercâmbio através do Talentos Globais da AIESEC, compartilhou com a gente como está sendo essa experiência. Ela nos contou como foi o seu processo, o choque cultural, as verdades e os mitos sobre o país, os costumes e o que ela só descobriu quando chegou lá!

Confira o seu relato e algumas de suas fotos a seguir:

 

A decisão

Eu sempre quis fazer intercâmbio, mas sabia que para isso eu teria que bancar minha própria vontade. Eu acabei me formando, e usufrui do dinheiro que juntei viajando bastante, tanto fora quanto dentro do Brasil, mas eram todas viagens turísticas, nada de intercâmbio, a ideia foi ficando adormecida.

Foi então que conheci uma garota que foi fazer intercâmbio voluntário no Egito, achei muito diferente e fiquei interessada pela instituição, e foi assim que conheci a AIESEC. Depois descobri que eles não só tinham programas para voluntariado, como também um programa focado na área de formação de sua escolha. E foi assim que decidi. Escolhi fazer parte do programa Talentos Globais na minha área de formação.

A AIESEC foca em países em desenvolvimento, ou seja é muito difícil você achar vagas para países de “primeiro mundo”, a maioria das vagas são pertencentes aos BRICS, ao continente africano e poucas e restritas ao Leste Europeu.

Eu lembro que tudo para mim, todo o processo da AIESEC aconteceu muito rápido, e geralmente as pessoas levam um bom tempo para estar dentro dos programas. A média de espera é de 6 meses a um ano e comigo aconteceu tudo em 3 semanas.

Na primeira semana foi minha entrevista na AIESEC, na segunda semana 2 empresas das quais me candidatei me entrevistaram, na terceira semana eu estava na 3ª e última fase de uma dessas empresas e dias depois recebi notícia que tinha sido aprovada.

Aconteceu tudo tão rápido que a ficha não tinha caído direito, eu demorei duas semanas para decidir se ia vir ou não. Duas semanas sofridas, porque o lugar era a Índia, então foram duas semanas que a mídia, amigos e familiares estavam me botando muita pressão e medo sobre.

Eu vim com medo mesmo, essa é a verdade.

 

O choque cultural

Estamos falando da Ásia, o choque, ou melhor, o soco na cara da diferença de tudo é muito grande o tempo todo. Costumo falar que a Ásia não pertence a Terra, para mim estou em outro planeta. E eu adoro sentir isso. Adoro não me sentir em casa, odeio quando tem um cheiro ou um gosto familiar, eu quero mesmo é arregalar os olhos e ficar chocada. E acredite, aqui tenho overdose de choque cultural o tempo todo.

Trabalho numa empresa que promove acampamentos para crianças e moro com uma indiana. Eu adoro morar com ela, com certeza se eu não estivesse nessa casa, as experiências que estou adquirindo não só sobre a cultura, mas também sobre a culinária não seriam a mesma. Sou muito grata por essa oportunidade. Meu trabalho também é muito legal e as pessoas idem, tive sorte com essas duas áreas: trabalho e acomodação.

A rotina aqui é como em qualquer outra megalópole. Vivo em Delhi, passo 30 minutos dentro do metrô até o trabalho e no trabalho a briga do ar condicionado se repete (tudo bem que está 45ºC lá fora, mas não precisa estar -45ºC dentro).

Eu saio muito aqui, muito! De quarta a domingo estou na rua. Nunca estive tão exausta em todo minha vida, mas também tão feliz. Aqui tem uma comunidade enorme de estrangeiros. E a verdade é que somos tratados como reis aqui. Eles têm preconceito com o próprio povo, então não gostam de nativos dentro dos estabelecimentos, eles querem mostrar que a balada e o bar são frequentados por estrangeiros, então tem convite de segunda a segunda para tudo o que é tipo de festa de graça. Sem contar as inúmeras noites em que rola o “ladies’ night”. Estou aqui há pouco mais de 3 meses e não teve uma única vez em que paguei para entrar ou beber em alguma festa. Vida de rei!

 

Verdades e Mentiras sobre a Índia e os indianos

Bom, antes de eu vir para cá ouvi um monte de barbaridade, em partes algumas são verdades, outras só rindo mesmo. Aí vão algumas:

  1. Mulher não anda na rua depois das 8 da noite – mentira, tem um monte de mulher circulando ainda nesse horário na rua.
  2. O sabor da Índia é o curry – eu gostaria muito de saber de onde veio esse mito, porque antes de vir para cá eu realmente achava que era esse o sabor da índia, mas a verdade é que o sabor da Índia é o tempero chamado Masala. Tem em tudo tudo, até com leite eles bebem esse Masala. E quanto ao curry, até agora não comi curry aqui.
  3. Simpatia aqui é sinal de interesse – é verdade, você não pode ficar abrindo sorriso toda hora aqui, do contrário eles entendem como um sinal que você está com segundas intenções com eles.
  4. Não usam papel higiênico – é verdade. Maioria dos banheiros não tem, é um chuveirinho ao invés do papel.
  5. Indianos não bebem – esse é a maior mentira de todas que ouvi. Eles bebem o tempo todo e a todo o momento, é difícil de acompanhar.
  6. Aqui não tem carne – é bem difícil de encontrar carne de vaca aqui, e se você encontrar você vai pagar uma fortuna. Mas frango e carneiro são super comuns, tem em cada esquina.
  7. Os homens sentem atração por mulheres brancas – verdade. Na verdade até as mulheres são preocupadas em “serem brancas”, você encontra cremes e vê propaganda de produtos para clarear a pele em toda parte.
  8. Casamento arranjado é coisa dos velhos tempos – não, de jeito nenhum, isso é super sério aqui e continua bem forte. Só no escritório que trabalho apenas um casou por livre escolha.

 

Coisas que descobri quando cheguei aqui
  1. Mulher que não depila o braço é mal vista e não arranja marido – já fui questionada por homens e mulheres o por quê não tiro o pelo do braço. Quando respondo que no meu país isso não é comum, eles ficam chocados.
  2. Se você não come tudo do seu prato é sinal de desrespeito.
  3. Se você não aceita comida quando eles te oferecem também é sinal de desrespeito.
  4. Se você beijar na boca em público você pode ir preso e ter de pagar uma multa.
  5. É normal um homem acariciar outro homem de maneira afetiva (bem afetiva, acreditem), mas se fazem isso com mulher é mal visto. Homens aqui andam de mão dada e fazem carinho um no rosto do outro o tempo todo.
  6. Aqui existe a cultura de compartilhar a comida que se come, então é super normal alguém enfiar a mão no seu prato enquanto você está comendo.

 

Estou amando essa louca e intensa experiência e não tem outro lugar que eu gostaria de estar.

 

 

Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci
Foto: Elisa Contrucci


PLANEJE SUA VIAGEM
Encontre e reserve seu hotel ou hostel
Na Booking.com você encontra as melhores ofertas de acomodações, sem cobrança de taxas de reserva. E clicando aqui, você ganha uma recompensa de R$ 50 após sua viagem.


Prefere alugar ou compartilhar um apartamento?
Cadastre-se no Airbnb e ganhe R$ 130 de desconto na sua primeira reserva clicando aqui.


Não deixe de contratar seu Seguro Viagem
No Seguros Promo você compara cotações e benefícios de diversos Seguros Viagem e encontra o melhor preço. Use o nosso cupom EXPERIENCIAS5 para ganhar 5% de desconto em sua compra.


Compre suas passagens aéreas ou pacotes de viagem

No Submarino Viagens você encontra preços para todos os bolsos e opções para diversos destinos, nacionais e internacionais. Clique aqui e confira as ofertas.



Alugue carros no mundo inteiro
Na Rentcars.com você encontra as melhores locadoras do mundo em um só lugar, não paga IOF em suas reservas, pode parcelar em até 12x no cartão ou ganhar 5% de desconto, pagando via boleto.


Chegue conectado
Com a Viaje Conectado você garante seu chip internacional antes mesmo de embarcar e chega no seu destino já conectado.

2 Comentários

  • Maria Santos

    Narrativa fantástica !Vejo que está aprendendo,vivendo a cultura,se divertindo e amando cada minuto
    Vamos ter muito que conversar quando voltar.Beijo grande.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *